Madonna discursa na Women’s March, é acusada de terrorismo e pode ser presa

A repercussão do discurso de Madonna na Women’s March, no último sábado (21), pode ter consequências sérias para a cantora. No ato organizado por centenas de milhares de mulheres contra o governo do recém-empossado Donald Trump, ela disse que pensou em “explodir a Casa Branca”. Newt Gingrich, conselheiro de Trump, não entendeu o sentido figurado da frase e foi ao ar na Fox News Live dizer que ela tem associação com o terrorismo. Informações do POPline.

“Madonna é igual aos jovens fascistas que correram pela cidade quebrando janelas. Todos deveriam receber a pena máxima. O que você tem é um fascismo emergente de esquerda, e ela é parte disso. Eu acho que temos que estar preparados para nos proteger”, disse o conselheiro.

É claro que, depois de dito, não tem como voltar atrás, mas Madonna, no Instagram, tentou se explicar: “não sou uma pessoa violenta e não promovo a violência. É importante que as pessoas ouçam e entendam meu discurso inteiramente, ao invés de focar em uma frase tirada de contexto. Sei que agir com raiva não resolve nada, e a única maneira de mudar as coisas para melhor é com amor”.

Ela é apenas uma das várias artistas dos Estados Unidos que se uniram contra o governo de Donald Trump. A diferença, já percebida, é que Madonna não faz questão de economizar nas palavras, quem dirá na polêmica.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.