Patrícia Beck revela maior dificuldade da profissão: a solidão

Modelo catarinense iniciou carreira aos 13 anos.

Patrícia Beck iniciou sua carreira de modelo aos 13 anos quando foi abordada em um shopping e logo em 1999 saiu vitoriosa no concurso da Ford Models, o que lhe deu a oportunidade de mostrar seu talento ao mundo.

Residindo nos mais diversos lugares como Londres, Milão e Nova York, hoje mantém uma carreira consolidada com mais de 18 anos na profissão.

Em meados de 2010, Beck quase jogou tudo para o alto. Após 9 anos morando no exterior e sempre com uma agenda sobrecarregada, ela chegou a reconsiderar algumas vezes desistir da carreira, porém o mercado nacional a fez levantar de novo para o sucesso.

Em entrevista ao Luca Moreira, do Registro POP, a catarinense falou um pouco da sua história, além de ter revelado um pouco dos preparativos para a chegada de seu filho Benjamin.

Quando foi que sua carreira como modelo começou?

Começou em 1999 no concurso da Ford. Nem tinha sido eu quem me inscrevi (risos) e consegui passar por várias etapas dentro do Brasil.

Quando percebi já estava em São Paulo, recebendo o primeiro lugar. Fui disputar a mundial e nunca mais parei. Foi tudo tão rápido que eu nem tinha comentado com meus pais “e se eu ganhar o que …”.

Qual foi a sensação de ter ganhado o concurso da Ford Models e logo depois ter tido a oportunidade de levar seu nome para outros lugares como Londres e Nova York?

Nunca esperei que isso poderia acontecer na minha vida…uma menina que morava em Blumenau, usava aparelho nos dentes e tinha todas as inseguranças de uma adolescente.

Quando anunciaram meu nome, não pude acreditar, o mundo parou por alguns segundos… eu respirei fundo e percebi que aquele era meu destino. Poucas semanas depois já estava morando fora do país e fiquei focada na carreira.

Cada trabalho era uma conquista enorme. Trabalhei com alguns dos melhores da moda e me orgulho bastante disso. Sempre agradeci muito por tudo que passou e ainda passa no meu caminho.

Com mais de 18 anos de profissão e seu trabalho já consolidado no meio, existe alguma coisa em especial que ainda falte aprimorar na sua profissão?

Me sinto uma modelo de sorte, pois consegui fazer muitas coisas das quais sonhei. Mas ainda tenho vontade de fotografar com o Paulo Roversi – um fotografo italiano que tem um estilo que me fascina…ele é um artista.

Em meados de 2010, foi comentado que você chegou a pensar que sua carreira já estava acabando. O que a fez pensar assim?

Eu estava há 9 anos morando fora do país, quase não voltava para cá e sempre tive uma agenda muito cheia. Mas o mercado brasileiro foi incrível comigo e voltei a fazer tudo que fazia antes.

Foto: Reprodução/Instagram

Qual a maior dificuldade na vida de uma modelo?

A solidão, Muitas desistem por esse motivo. Trocamos toda hora de país, passamos a maior parte do tempo nos aeroportos sozinhas…. hoje com a internet melhorou um pouco, mas ela ainda atinge a maioria.

Qual seu segredo para manter a carreira firme por tanto tempo?

Tem uma frase que sempre me agarrei a ela: “Querer é poder”. Mesmo passando por momentos ruins ou bons, ela sempre esteve comigo.

Qual é o truque para manter o corpo em forma?

Primeiro de tudo, cuido do meu estado de espirito meditando e praticando Yoga. Se eu não estiver bem comigo mesma, o resto não vai funcionar.

Fazer exercícios e ter uma boa alimentação é necessário. Gosto de fazer corridas, pedalar de bike nos finais de semana e sou apaixonada por Muay Thai.

Na alimentação sempre opto por aquilo que vem da natureza e não industrializados com gordura, açúcar e sódio, que fazem mal para o nosso corpo.

A espera da chegada do filho, como andam os preparativos para a vida como mãe? Pretende continuar trabalhando normalmente?

Não vejo a hora do meu Benjamin chegar e converso muito com meu marido sobre isso.

Eu estava com muita vontade de ser mãe e logo logo esse dia estará ai. Passou tão rápido que eu ainda nem terminei o quarto dele.

Tenho lido bastante sobre como ser mãe, o que fazer e sobre alguns métodos, mas acredito que quando nasce um filho, nasce uma mãe junto.

Com a sua chegada não vou deixar a carreira de lado mas com certeza minhas prioridades vão mudar. Vou pensar duas vezes antes de pegar um avião e ficar dias fora de casa.

Foto: Reprodução/Instagram

De todos os lugares por onde passou, qual mais lhe marcou ?

Londres sempre vai ser a capital do mundo pra mim! Morar lá foi uma escola a céu aberto.

Conheci pessoas do mundo inteiro, com estilos e culturas diferentes onde todos parecem viver em harmonia.

É um lugar onde não importa se você é filho de fulano, ou de indicação do outro. Lá você é reconhecido pelo seu trabalho, pelo seu esforço e pelos seus resultados.

Finalizando, uma mensagem:

Fazer tudo com calma, sem medos e ansiedades. Quando a gente anda nessa sintonia as coisas começam a fluir, seja no trabalho, em casa ou com os amigos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.