Crítica do Filme “Depois Daquela Montanha”

Depois Daquela Montanha é a prova de que nem um elenco forte (ou no caso um duo de estrelas de porte) consegue salvar uma produção pouco inspirada. Os primeiros dez minutos do longa condensam precisamente a sua essência: clichês bastante genéricos, constante exposição narrativa para “desenvolver” os personagens e conflitos que se desenrolam em um ritmo muito estranho – coisas acontecem e coisas são resolvidas com quase nenhum respiro – qualidade pouco atrativa em um filme de sobrevivência, onde se espera constantemente pelo próximo obstáculo e uma resolução satisfatória de igual ou maior peso.

O filme, do diretor palestino Hany Abu-Assad (indicado ao Oscar por melhor filme estrangeiro em 2006 por Paradise Now e de novo em 2013 por Omar), trata de dois estranhos (Idris Elba e Kate Winslet) presos por uma nevasca em um aeroporto em Idaho nos EUA, e que precisam chegar aos seus destinos o mais rápido o possível. Elba por que é médico e irá realizar uma cirurgia no dia seguinte, e Winslet por que irá perder o seu próprio casamento. Eles decidem então por fretar um jatinho, o piloto sofre um ataque cardíaco e o avião caí em meio às desertas montanhas nevadas do estado de Utah. Juntos eles tem que tentar sobreviver às condições extremas e tentar voltar para casa. Em meio aos obstáculos eles percebem que possuem personalidades opostas: Elba é racional e calculista e Winslet é instintiva e sensível. Um é o cérebro e o outro, o coração. O maior ponto positivo da produção, sem dúvida, são os protagonistas. Tanto Elba quanto Winslet são atores incríveis e com carisma de sobra. Imagino que ambos tenham feito o melhor que poderiam fazer com o material que lhes foi entregue.

Acho importante falar sobre como o título do filme pode afetar o que ele representa e conduzir o telespectador à determinada expectativa ou sentimento. Acredito que a escolha do título em português do Brasil só tenha contribuído ainda mais na certa breguice que o filme exala em diversos momentos. The Mountain Between Us (no original), A Montanha Entre Nós, imediatamente evoca o desespero do momento da sobrevivência e representa brilhantemente a própria distância entre os protagonistas, cujas personalidades operam como opostas uma à outra. Ter encontrado o título perfeito é um dos maiores méritos que podem ser atribuídos ao filme e o público da terra brasilis nem ao menos recebe esse prêmio de consolação. Depois Daquela Montanha coloca o foco diretamente nos eventos após o clímax e a tensão, evoca resolução – e tédio, por conseguinte.

Mais ou menos quinze minutos do longa se passam “depois daquela montanha” e, sinceramente, muito mais tempo do que o necessário. Não acho que o diretor soube decidir sobre o quê seria esse filme: sobre a relação dos dois protagonistas pós-trauma, ou sobre os vários feitos incríveis realizados durante a sobrevivência nas montanhas. Sim, a segunda opção é muito mais interessante e, sim, poderia co-existir com a primeira opção tranquilamente, se isso fosse bem realizado. E esse não é o caso – a parte “pós-montanha” conseguiu até mesmo “aniquilar” alguns méritos do longa e, spoilers à parte, o final talvez seja a parte mais brega de todo o filme. Faltou coragem por parte dos roteiristas. Se os protagonistas estão em constante perigo de morte, faça a audiência sentir isso, incomode mais, prolongue a tensão e o suspense minimamente. Depois Daquela Montanha é confortável demais para um filme de sobrevivência.

O conforto temático e a falta de inspiração também se encontram nos aspectos mais técnicos do filme, como a direção de fotografia e a trilha sonora. Depois Daquela Montanha nunca consegue cruzar a fronteira do okay. Sequências e cenas que possuem o potencial de serem belíssimas, dada a beleza natural das locações, são apenas previsíveis e por vezes sem sal – claro que com algumas exceções. No entanto, a trilha original composta por Ramin Djwadi consegue ser nada memorável quase 100% do tempo. Djwadi é famoso por compôr a trilha de Game of Thrones, então o problema não é a falta de talento. Algo certamente aconteceu durante a produção de Depois Daquela Montanha para o resultado final ser tão medíocre. O longa conta com um diretor aclamado e respeitado, um compositor inspirado e uma dupla de atores fantásticos como os pilares da história. Talvez o problema seja o material original (o roteiro é baseado no romance homônimo por Charles Martin), o próprio roteiro adaptado (muitas das falas são absolutamente terríveis, por exemplo, mas Idris Elba com certeza garantiu as melhores) ou talvez o filme tenha tido uma produção caótica mesmo – e possivelmente tenha sofrido com excesso de pitaco da produtora também.

Espere Depois Daquela Montanha passar na Tela Quente, divirta-se um pouco por essas duas horas e depois, inevitavelmente, siga a sua vida e eventualmente esqueça que viu Depois Daquela Montanha, não de propósito, claro, só por que você não vai ter um bom motivo para se lembrar.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.