Ausência em Women’s March, dos EUA, gera críticas a Taylor Swift

A ausência de Taylor Swift na Women’s March (Marcha das Mulheres), nos Estados Unidos, gerou críticas de fãs nas redes sociais. A cantora é uma das feministas mais declaradas do mundo musical, mas não foi ao ato organizado por milhares de manifestantes contra o governo de Donald Trump, presidente empossado do país na última sexta-feira (20). Informações da Vogue.

Os fãs disparam para a cantora que os 140 caracteres do Twitter, onde ela declarou apoio ao movimento, não são suficientes para fazer diferença na luta pelos direitos das mulheres. Os 83,2 milhões de seguidores de Taylor leram a seguinte mensagem: “Muito amor, orgulho e respeito por todas aquelas que marcharam. Sinto orgulho de ser uma mulher hoje e todos os dias. #WomensMarch”.

Uma das críticas dizia que Taylor escolhe apoiar as causas feministas quando precisa ser beneficiada: “Como uma fã sua, isso é besteira. Você não tem o direito de escolher [só] quando o feminismo te beneficia”. A mesma seguidora que escreveu a crítica foi além: “Se você realmente fosse pró-feminismo, você teria se manifestado contra Donald Trump ao invés de simplesmente dizer para as pessoas votarem no dia das eleições. Ao invés disso, você alega ser feminista, mas só quando há algum benefício para você”.

Uma outra seguidora questionou se Taylor estava com algum problema, de saúde ou não, para se ausentar do movimento. “Vá se danar. Você ficou quieta durante todo o processo das eleições para garantir que as vendas do seu álbum não sofressem com a divisão [de opiniões] dos EUA”, alfinetou uma terceira.

1 comentário
  1. Jefferson Basso Diz

    Ela vai se ela quiser… eu em, povo besta!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.